quinta-feira, 31 de março de 2011

Em busca da Fada Madrinha

Depois de fechar a maior parte dos itens da festa, relaxei um pouco, porque já demos início ao pagamento, o que estava me deixando loucaaaa. Não que eu esteja tranquila. Ás vezes, dá aquela deprê básica, e eu fico achando que nada vai dar certo, pra que eu fui inventar gastar tanto dinheiro, porque eu não matei um boi e chamei todo mundo pra comer etc. Sem falar que eu já consegui emagrecer um pouco, então as roupas começam a ficar mais ajeitadinhas, o que, consequentemente, me dá vontade de correr pro shopping praticar meu esporte preferido: comprar! Fora que eu e meu namo (prefiro "namo" do que "noivo". Não sei pq, mas não gosto de "noivo", acho brega, cafona, sei lá rs) somos gastadores por natureza. Às vezes, ele me dá um toque, em outras eu que dou nele e assim segue... Bem, o fato é que o casamento não caiu do céu completinho, então como teremos que pagar parte dele, estamos ferradinhos rs. Temos que juntar dinheiro, o que é quase humanamente impossível pra nós dois. A gente adora comer bem, sair, viajar, comprar, fora que com o lance da doença da minha mãe, tivemos que ir mais vezes ao RJ etc. É óbvio que quando decidimos casar com tudo o que temos direito, aceitamos abrir mão de alguns luxos, mas deixa eu dizer que "é muuuuito difícil??!!" rs. Bem, mas desse jeito, eu vou tendo minhas síncopes de achar que não vamos conseguir. Então, como juntar o dinheiro estava um tanto difícil, decidi que vamos fechando as coisas aos poucos pra ir pagando e assim, como não teremos dinheiro, não gastaremos. Por incrível que pareça, isso funciona com a gente. Pelo menos, temos uma saída.
Por isso, resolvi que nosso próximo passo será contratar a cerimonialista, porque além de me ajudar com todo o resto, fiquei sabendo que ela dá dicas super importantes e também consegue descontos pra gente. Os orçamentos que recebi foram assustadores. Eu achei que uma cerimonialista me custaria uns R$ 1.500,00. Depois de conversar com a Michela, minha amiga, ela me disse que o dela custou R$ 2.500,00, sendo que o casamento dela foi agora em janeiro. Fiquei achando a Michela meio doida de pagar tudo isso num cerimonialista e quase me propus a organizar o casamento dela de graça hehe. Sinceramente, eu mesma poderia fazer isso se não fosse o meu casamento, mas se tratando do meu, não terei tempo para isso. Assim, tenho que desembolsar um dinheiro a mais, porque acho que não podemos abrir mão desse serviço. Realmente considero um serviço importante. Depois dos orçamentos que recebi, fiquei mais pasma ainda. Todos custavam no mínimo R$ 3.000,00. Deus do Céu!! É só o dobro do que achei que seria. Bem, mas como no próximo sábado estarei aqui, vou dar uma olhada em alguns, apesar de já ter algumas primeiras impressões.
Minha amiga Isabela me indicou a dela. Chama-se Aguiar de Brito. Nunca ouvi falar (não que eu seja uma exímia conhecedora de cerimonialista e use sempre o trabalho de um), mas ela me disse que tem mais de 3 anos no mercado. O preço saiu mais em conta do que eu considerei gastar. Fico com medo porque vai que quebra até meu casamento??!! E confesso que desconfio do preço também. O fato é que a Isa está amando e super me indicou. E a Isa é uma noiva pentelha, que não tem saco pra nada e inventa umas coisas que eu não sei da onde ela tira. Se a cerimonialista está dando conta dela, vai me tirar de letra ahahahhah Resolvi tentar.
Mas vou ver outros tb para ver com qual mais me identifico.
Confesso que estou ansiosa para achar minha fadinha...

Meu primeiro evento de casamento

Hoje tem outro Workshop do Luxo de Festa, em Brasília. E eu vooouuuu!! Será meu primeiro evento de casamento. Não faço a menor idéia de como será. Fora isso, será que vou reconhecer as tantas blogueiras que vejo por esse mundinho? Pena que não vou poder demorar lá, porque senão ia aproveitar para conhecer bastante gente. Adooroooo!! Mas como é aniversário da minha Tia Fatuca, não tem como faltar.
Me informei com a Stella do Casamento 10 e descobri que posso levar um acompanhante. A eleita foi minha irmã Susana, companheira de tudo nessa vida.
Imagino que será um local decorado, com comes e bebes liberados uhuuuu Não é à toa que meu apelido é draga, mas tenho que me controlar, porque afinal de contas preciso entrar num vestido branco, que é um horror. Engorda a gente de tudo quanto é jeito. E como viajei literalmente na maionese, acabei engordando muito nesses últimos tempos. Pode deixar, já estou de dieta, apesar de ainda não ter conseguido matar a formiga que existe dentro de mim =/
Depois, prometo contar como foi =)

quarta-feira, 30 de março de 2011

Havaianas, havaianas


Mais um modelo que achei legal!  E tenho uma novidade boa pra dividir co vocês. Minha prima Rebeca, que trabalha com a mãe dela, Tia Lucia (dona da Cia. Silk), me disse que esse tipo de havaiana, que é mais antiguinho solado branco com bordas e tiras coloridas), é mais barato. Então, fica a dica para quem não abre mão das havaianas no casamento. É uma forma alternativa de baratear esse gasto!

Vida que segue

Quem disse que milagres não acontecem?? Hoje, graças a Deus, posso vir aqui e contar que minha mãe não precisará mais fazer radioterapia, nem 8 ciclos de quimioterapia, nem 4 e, sequer, quimoterapia =D Isso mesmo!!! Ontem ela foi ao médico e disseram que os exames indicaram que ela está livre do tratamento. Gente, isso é uma glória, considerando que todos os médicos olharam o diagnóstico da minha mãe e classificaram como "grave". OK, realmente foi grave, mas não foi tão grave a ponto de passarmos por todo o ciclo destrutivo, deprimente e triste que é o processo de cura completo de um câncer. A partir de hoje, minha querida momys só precisa tomar um remedinho todos os dias e fazer o acompanhamento, que no início é de 3 em 3 meses. Ótimo!! Ela só vai precisar resolver mais um problemas, nada grave, considerando que acabou de passar por um câncer, e já pode vir pra Brasília, pra lamber a cria, como sempre fez =p Sem mais dramas! Agora posso deixar meu lado "Maria do Bairro" descansar na mais monótona paz hehe. E eu estou saltitante de alegria. É muita felicidade pra uma pessoa só.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Porta-guardanapo






A minha decoração inclui os guardanapos, mas os porta-guardanapos eu terei que levar. Amei os dois modelos acima. O primeiro faz parte das decorações da Carolina Souza Lima. Acho lindo e acaba contribuindo muito para a decoração da festa, porque se destaca bastante. Perguntei pra Carol se ela tem o contato do fornecedor ou se ela mesma que faz. Como ela ainda não tinha me respondido, resolvi entrar em contato com uma prima minha, a Dani Salomão, do RJ, que é muito prendada. A Dani é super safa e super adepta do "Do it Yourself!". Rapidamente, ela me escreveu dizendo que vai fazer um teste! Caso seja possível eu mesma fabricar meus porta-guardanapos, o primeiro modelo será meu escolhido, porque se você for pensar no dinheiro que se gasta com porta-guardanapos, a economia é bastante significativa. Fora que vai ser uma delícia recrutar minhas queridas e meu noivinho para juntos termos momentos de puro trabalho hihihi. Sério, acho gostoso mesmo. E vai que nessa eu descubro uma verdadeira fábrica de porta-guardanapos? ahaahahahahhaa
O segundo modelo encontrei no blog Doce setembro, da Rafaela. É de flor seca, feito com folhas do cerrado, bem típico aqui de Brasília, o que é legal porque queremos coisas características do RJ e de Bsb, para identificar a união entre essas cidades, já que eu sou carioca e o Inho é brasiliense. Acho maravilhoso e também se adapta bastante ao estilo do nosso casamento.
Se tiver que comprar qualquer um dos dois, confesso que fico na dúvida hehe

terça-feira, 22 de março de 2011

Ô Carolina, eu preciso de você...




Oi pessoal!!
Hoje vou escrever sobre a Carolina Souza Lima. A Carolina estudou Direito na mesma faculdade que eu, no RJ, mas não nos conhecíamos. Eu sabia da existência dela, porque ela é ex-namorada de um amigão meu, mas ela continua sem me conhecer rs. O fato é que, quando comecei a desvendar o mundo dos blogs, acabei chegando ao dela e descobri que a Carol trocou o Direito pelo mundo casamentício. Ai, tudo o que eu queria rs. Achei a história dela o máximo, porque parece conto de fadas, que no fim dá tudo certo, sabe? No caso dela, deu super, hiper, ultra, mega certo. Ela é cerimonialista e decoradora. O trabalho dela é fenomenal. Ela sabe, misturar estilos, cores, estampas, como ninguém. É tudo o que eu queria pro meu casamento. E acho muito legal ela mostrar tudo muito detalhado no bolg dela, o http://www.carolinasouzalima.com/blog/
Isso acaba ajudando quem não pode contratá-la, por questões de orçamento (não estou dizendo que é caro, até porque não faço a menor idéia do valor cobrado), ou por ser de outro mercado, como euzinha, porque você pode pegar as dicas no blog e incrementar seu casamento, deixando parecido com o que ela faria. Eu mesma faço isso, guardo as fotinhos e depois mostro pra Juliana, da Villa Rizza =) E a Ju fica super atenta a tudo o que eu mostro, sem nenhum ranso por eu estar mostrando o trabalho de outra pessoa e não o dela. Acho isso muito importante para descrever um bom profissional.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Ilegítimas

Como o assunto "havaianas" rendeu aqui alguns comentários, resolvi falar mais um pouquinho sobre isso.
Depois dos comentários, descobri que havaianas não são unanimidade, assim como eu pensava. Tudo bem que é um item caro. Por isso, achei que esse fosse o único motivo que alguém não tivesse havaianas em seu casamento. Aliás, devo incluir mais um motivo que são os diferentes costumes de cada região do País. Certa vez, fui a um casamento no RJ com uma amiga do interior do Sul. Era um casamento bastante animado, que tinha até bateria de escola de samba. Além de ser super normal e um item que demonstra que o casal investiu na festa no RJ, minha amiga achou aquilo tudo um absurdo rs. De acordo com as palavras dela, era melhor o casal ter feito a festa na própria quadra da escola de samba!! E mais, ela ficou achando que a noiva fez um casamento pensando nela e não nos convidados, como ela achava que deveria ser, pois muito poderiam não gostar do tal samba do RJ. Deixando meu carioquês de lado, gostando ou não de samba, na minha opinião, acho que a noiva super acertou então, porque se você vai gastar uma grana, pensando em agradar os outros no dia do seu casamento, tá tudo perdido, porque nem Jesus agradou todo mundo, que dirá euzinha. Pobre de mim!! Então, se pelo menos você estiver feliz, tudo será mil maravilhas, porque felicidade atrai felicidade.
Voltando ao assunto que nos interessa, lá pras tantas horas, na festa, minha amiga me olha com uma cara de espanto e me fala: "Mas bah, você não acredita no que eu acabei de ver..." E eu fiquei meio que chocada por antecipação, achando que a noiva estava fantasiada, algum casal estava fazendo coisas imorais no meio da pista, ou o garçom resolveu abandonar a bandeja e curtir a festa sem camisa rs. Não era nada disso! Ela apenas viu uma moça trocar um par de sandálias lindo maravilhoso por uma sandália havaiana!!! hahahahahah É gente, parece que lá na cidade dela as coisas demoram mais um pouco para chegar. Aqui a gente já vê até o povo levando uma sandália mais baixa, havaiana ou qq outra coisa pra trocar... Bem, mas o lance é que eu realmente acho uma coisa legal e nos meus costumes isso é legal. Nunca tinha visto alguém dizer que é brega. Todo mundo adora, mas quando coloquei aqui, vi alguns comentários bem pertinentes. A Anna, do Vestida de Renda, que eu super adoro, disse que não gosta porque geralmente a arte é feita com caricaturas, mas adorou as que eu postei aqui. Com a Anna, devo concordar. Também detesto caricaturas e acho brega em tudo o que tem, como convites, lembrancinhas, noivinhos etc. Isso é gosto, então não se discute. Lá no RJ, é legal vc personalizar a sua, mas óbvio que para isso, não precisa estampar sua cara na sandália, pelo amor de Deus. Muitas vezes, não precisa nem colocar nome e data. Só vc criar um design legal que se associe a sua festa.
Decidi procurar imagens de havaianas legais e colocar aqui aos poucos para inspirar as noivinhas de Bsb.
Segue mais uma havaiana bem estilosa:
Essas foram do casamento da Carolina Dieckmann.
Há também a possibilidade de dar havaianas sem nenhuma arte. Também fica bem legal!
Como sei que é um item caro, mas que acho legal, tem a opção também de não ser havaiana, mas uma sandália de outra marca, as famosas genéricas. Cumprem o mesmo papel e são bem mais baratas, como a Ipanema, por exemplo, que é tão confortável quanto e dá para desenvolver arte nela também.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Havaianas, porque você usa!!

Eu acho uma besteira a quantidade de lembrancinha que o povo dá em casamentos. Primeiro, porque isso acaba por encarecer demais a festa e segundo porque, na maioria das vezes, são coisas que não tem a menor utilidade. Pense bem, o nome mesmo já diz "lembrança"... Quem vai ficar olhando pro objeto e "lembrando" do meu casamento??? Então, acho desperdício, porque na verdade, o intuito do casamento não é esse e se a festa for pra lá de boa, não há porque ficar tentando marcá-la concretamente. Até porque, do contrário, não há lembrança que faça recordar rs.
Deixando a polêmica de lado e me tornando um pouco contraditória, tem uma lembrancinha que acho legal e vou querer no meu casamento, as famosas havaianas. Esse mimo contribui para o conforto das convidadas no momento da festa, fazendo com que muitas mulheres que sentariam depois de tanto dançar, permaneçam na pista por mais tempo, o que deixa a festa mais animada e, assim, mais inesquecível. E quem não curte uma havaiana?? Adorooooo!!
                                                                 Adorei esse modelo!!

domingo, 13 de março de 2011

Lulu dos meus sonhos

Confesso que não ligo para cachorros. Não fui criada com nenhum tipo de bicho, em função da psoríase da minha mãe. A única tentativa foi um fracasso. Minha mãe me deu um peixe, crente que estava abafando, para saciar minha vontade de ter um bicho de estimação e eu acabei matando o meu e o da minha irmã de tanto dar comida. Eu achava que os peixes tinham que comer toda hora que eu comia. E eu era uma criança gorda. Só sei que foi um terror quando os pobres dos peixes morreram. Minha mãe preta, a Bibi, queria fritar eles pra gente comer e eu fiquei horrorizada. Então, acabei desistindo, porque não havia outra opção. E, por isso, não criei nenhum tipo de sentimento em relação a bichos de estimação. Devo admitir que não tenho paciência para catar coco, limpar xixi, dar banho, essas coisas. E não se atreva a dizer que não posso ter filhos por causa disso. Para mim, a diferença é um tanto clara. Enfim, mas quem resiste a esse cachorrinho?? Eu quero um pra botar na bolsa e passear no shopping, assim bem fútil rs

Cisne branco

Beija sapo!

No primeiro ano de namoro com o Inho, fomos ao casamento da Carlinha e do Bicalho. A Carlinha é irmã do Chiquinho, um amigo-irmão nosso. A família do Chiquinho sempre torceu pra gente dar certo, desde o início e, coincidentemente, no casamento da Carlinha eu peguei o buquê. Na verdade, não foi um buquê propriamente dito. Como a Carlinha é uma moça alternativa, moderna e muito descolada, assim também foi o casamento dela, ela jogou um sapinho de pelúcia ao invés de buquê, até porque nem lembro se ela tinha um. Foi um casamento bem diferente mesmo. Vocês devem estar pensando o que há de moderno nisso, mas eu garanto que há 3 anos atrás isso era o que tinha de mais novo no mercado rs. Bem, mas quando fui para a famosa disputa, já com algumas doses na cabeça (porque só dá pra ser assim, né?! rs), achei que não tivesse chance, porque as amigas da Carlinha fizeram um paredão na minha frente e da Carol, e ficavam pulando animadíssimas, mas eis que o sapínho voou bem alto, passando pela cabeça de todas elas e foi parar na nossa frente. Eu e Carol demos aquela olhada uma pra outra e pulamos juntas pra agarrar o bendito sapo. Eu tenho uma coisa, assim muito minha, que quando eu pego um buquê/sapo/seja lá o que for, não solto por nada e a Carol, em contrapartida, tem uma coisa assim muito dela, que ela não disputa buquê, então ela soltou o sapinho pra mim, assim na maior facilidade. Nem precisei rolar no chão, arrancar cabelo etc. rs A partir desse dia, beijei muito aquele sapo, pra ver se o Inho virava logo meu príncipe, mas o encanto estava muito bem feito, Como diz o ditado, água mole em pedra dura tanto bate até que fura... E um belo dia o Inho resolveu desencantar e virou príncipe super, ultra, mega, hiper encantando, com direito a um Q de Shrek, diga-se de passagem. Então, como o sapo deu jeito no meu pobrema e eu tenho muitas amigas ainda no caritó, resolvi passar o sapo adiante, pois não há mais milagre para ele fazer para mim. E como a Dona Terezinha, mãe da Carlinha e do Chiquinho, disse que é bom mesmo eu passar adiante, pra não desandar o meu, agora mesmo que esse sapo vai criar asa!  Sério, achei legal essa idéia de passar adiante o que deu certo pra mim. Se alguma amiga minha encntrar alguém tão especial como o Inho, vou ficar muito feliz por ela. Ou se essa amiga já tiver um Inho, vou ficar tão feliz quanto se ela finalmente conseguir arrastar ele pro altar.
Ah, mas não vou deixar de jogar o buquê. Não abro mão das tradições e zero apego ao buquê. Até porque não vou congelar o meu rs. Então, moiçolas se preparem, porque terão duas grandes chances de desencalhar hihihi

Detalhes tão pequenos

Vestido da Thaisa da novela Tititi

Juju falou, eu corro pra ver rs
Amei o laço!!

Inspirações para penteados:

O Dia da Noiva

Sou uma noiva brasiliense de alma carioca. Falo isso sem desprezos, mas é que me identifico mais com os costumes do RJ. Um exemplo disso é o dia da noiva. Meu dia da noiva dos sonhos seria em um hotel com minha mãe, minha irmã, minha sogra, minha prima e minhas amigas que serão minhas damas de honra. Um roupão branco para cada uma e toda a equipe do staff rs. Esses seriam o fotógrafo, maquiador e cabeleireiro. Eu queria muito uma foto com todas elas de roupão branco e bobs nos cabelos rs. Besteira, mas eu queria. Algumas fotos só com minha irmã e momys. Faria umas fotos antes do casamento e partiria para o grande momento. Só que em Brasília, como os costumes não são esses, não tem como os profissionais de cabelo e maquiagem sairem do salão. Então, você se arruma no salão mesmo, com outras noivas e pessoas. Bem, fazer o que, né?! Vamos a saga da procura pelos profissionais ideais, sob o meu ponto de vista. Desde que pisei na Brasólia, ouvi falar do tal Ricardo Maia. Nunca achei nada demais, mas minha birra aumentou depois que vi uma foto de uma noiva com a maquiagem super carregada. Sabe quando dá pra ver que tem quilos de base e pó na sua cara? Ai, não dá! Pode ter sido uma, mas impliquei. A Fê, prima da Inho, fez a dela com o Cloves Nunes. Amei a dela e achei que faria com ele, mas também vi uma noiva com o mesmo efeito e um olho carregadíssimo, muito preto. Tudo bem que pode ser o gosto da noiva, mas os quilos de base não tem pra onde correr. E a mãe da Fê achou a maquiagem dela mesma super forte também. Pediu para tirar e refazer, mas isso minha Tia também reclamou do Luiz Carlos, minha primeira opção. Amo as maquiagens dele. São exatamente o que uma noiva precisa. E nunca vi exageros. A reclamação da minha tia pode ter fundamento, mas achamos que os maquiadores pesam a mão nas pobres das mamães em função da idade.
Minha amiga Isa que também vai casar ano que vem fechou com um carioca que está famoso aqui em Brasília. É o Carlos Campos, super divulgado nos blogs. Ela super elogiou, então resolvi conferir. A proposta do The Day, by Carlos Campos é um dia da noiva exclusivo, como no RJ, mas como aqui não tem o costume do hotel,  casa etc, ele montou um espaço próprio para isso, dentro do salão, que até pequeno, porque o foco dele é a noiva. Aí a noiva vai, fica um dia inteiro isolada, fazendo altos relaxamentos, até ficar tão relaxada, que entra que nem um zumbi na Igreja ahahhahaha Brincadeirinha. Até pra isso, eles estão preparados. Depois de tanto relaxamento, eles fazem umas coisas lá pra levantar o astral. Cabelo e maquiagem OK, mas o que me incomodou, fora o preço digno de filme de terror, foi o isolamento que eles fazem da noiva. Não acho isso legal. Afinal, não quero mesmo passar o dia da noiva sozinha, sem nem poder falar no meu celular, porque me disseram que até o celular eles pega pra ninguém te incomodar. É uma proteção para ninguém estragar o dia da noiva, mas achei que rolou um certo exagero em tudo. Enfim, volto para a minha primeira opção: Luiz Carlos. É o famoso bom, bonito e barato! Tem o que precisa ter, mas será que posso levar o roupão branco? ahahahahahah

1001 Filmes para ver ou não ver.

Depois de mais um tempinho sem passar por aqui, consegui me livrar da preguicite aguda desse carnaval para postar. É realmente contraditório carnaval e preguiça, não combinam! Carnaval é festa, alegria, energia e nada de preguiça ou tédio. Amo muito tudo isso, mas depois de um mês loucura, loucura, não há alma que aguente pular nem corda, que dirá um carnaval. Confesso também que, apesar de adorar carnaval, não tenho tido muita vontade de curtir nos últimos anos. Tenho aproveitado para descansar, porque levo uma vida muito corrida. Como este ano está mais ainda, eu e Inho fomos para o Rio Grande de Sul, na contra-mão do carnaval, visitar uns amigos e aproveitar para descansar. Conhecemos Torres, que é uma cidade praiana bem legal. Fomos ainda a Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Veranópolis, que são cidades serranas. Nossos amigos tinham preparado um roteiro de passeios super legal, mas um deles acabou ficando doente e não pudemos fazer. Confesso que nem fiquei triste, porque descansei demais a alma, o coração, a mente...  Aproveitei para ler, coisa que eu adoro. Comecei lendo "1808", que conta a vinda da Corte Portuguesa para o Brasil. Estava amando, adoro História, principalmente a do Brasil, mas eis que meu livro veio com defeito. Aaai que raiva!! E pior que comprei de bobeira em uma livraria na rodoviária que eu passo uma vez na vida outra na morte. Agora vou ter que dar um jeito de trocar. Então, resolvi comprar outro para ocupar meus tempos ociosos, pois tenho sérios problemas em ficar sem fazer nada. Parece que minha cabeça trabalha mais do que quando está fazendo algo rs. Viajo demais em todos os sentidos. Então, estou sempre lendo, fazendo uma palavra cruzada, algo que me entretenha, enquanto estou no metrô, avião, táxi, antes de dormir etc. Por isso, fui em busca de outro livro. Adoro  ler sobre religião e isso inclui a Bíblia. Eu acho a Bíblia super interessante, não só pela questão religião, mas gosto dos ensinamentos, das histórias etc. Só que a leitura é bem bem complicadinha, né?! Sem falar que não nos instiga pegar um livro gigantesco, com folhas mais finas que num sei o quê! Devo acrescentar que não é prático. Aí decobri o livro "A História", que faz uma seleção das histórias mais importantes da Bíblia de maneira bem resumida. Além disso, a narrativa é bem mais simples, mais fácil ler e entender. Paguei de burra agora, né?! rs. Mas é sério, a Bíblia me dá sono, assim como os livros de Direito.
Em fevereiro, outra coisa que aproveitei bastante foi o cinema. Amo, amo e amo!! Dei sorte, porque todos que assisti são muito bons. Então, vou inaugurar o "1001 Filmes para ver ou não ver" com o "Cisne Negro". Adoro filmes que influenciam até a moda e esse, sem dúvidas, é um. Não passei o carnaval no RJ, mas posso ter certeza de que teve muita bailarina torta nos blocos rs. Também não tenho frequentado shoppings, nem lido revistas de moda, mas aposto todas as fichas que as tendências são tule, bolerinhos, sandálias no estilo sapatilha de bailarina etc. O mundo das noivas também foi atingido. Não é só isso, o filme é realmente muito bom, faz pensar, é intrigante, envolvente e a produção do espetáculo final maravilhoso. Dá até vontade de dançar um balé! rs. A atuação da Natalie Portman dispensa comentários. Oscar mais que merecido. Para mim, a mensagem que o filme passou que mais me marcou é: nem tudo que é perfeito, é perfeito! É que às vezes, a gente precisa perder o controle, deixar rolar, fazer o contrário e, nesses momentos, a perfeição é exatamente não ser preciso e corretinho.
Outro filme que assisti foi "Esposa de Mentirinha". Confesso que fui meio contrariada. Esperava ser mais um besteirol americano e previsível. E é, mas mesmo assim é muito bom. Hilário! Garante um momento de boas gargalhadas.
Por último, fui correndo ver o grande vencedor do Oscar "O Discurso do Rei". Como já falei, adoro filmes sobre História, mas esse tem uma abordagem diferente, mais centrada no problema pessoal do Rei. Muito Legal e o Colin Firth está ótimo, também fazendo jus ao prêmio.